Amígdala palatina

Autores: Ruben Gouveia, Carla Lopes. Ver página autores.

Última edição: Pathologika, 12/11/2019

Citar esta página: Gouveia, R. e Lopes, CB. Amígdala palatina – Pathologika. Disponível em: https://pathologika.com/macroscopia/descricao-macroscopica/amigdala/ [Acedido: data].

Amígdala palatina – Introdução

As amígdalas palatinas situam-se bilateralmente na orofaringe. A amígdala palatina é um órgão linfático secundário sem canais linfáticos aferentes. Estes orgãos linfóides bilaterais estão limitados anteriormente pelo arco palatoglosso e posteriormente pelo arco palatofaríngeo.

São constituintes do sistema imunitário e são os primeiros orgãos linfáticos a entrar em contacto com uma variedade de microorganismos do ar inalado e alimentos (imunidade humoral e celular).

Conceitos básicos

A amigdalite é um distúrbio comum da infância caracterizado por frequentes episódios de dor de garganta, disfagia e otite média. Embora a tendência com a idade seja a resolução, amigdalites persistentes ou exarcebadas podem ser tratadas por amigdalectomia com ou sem adenoidectomia concomitante.

A maioria das amostras de amigdalectomia são submetidas para exclusão de doença neoplásica, principalmente se houver aumento assimétrico ou unilateral.

Nos casos de carcinoma espinocelular metastático para um gânglio cervical, a amígdala ipsilateral é removida quando a avaliação clínica e radiológica falha em localizar uma lesão primária.

Procedimento prévio

Registar as dimensões. Descrever a superfície externa, que geralmente apresenta convoluções (aspeto cerebriforme) com áreas deprimidas e áreas de exsudado fibrino-purulento.

Seccionar seriadamente toda a amígdala em cortes incompletos. As áreas de convolução são melhor observadas em cortes transversais. Grânulos friáveis amarelos/verde “enxofre” (por vezes confundidos com necrose), são colónias de Actinomyces que colonizam as criptas.

Enviar um fragmento representativo de cada amígdala.

Amígdalas difusamente aumentadas podem sugerir uma desordem linfoproliferativa e requerem procedimento diferente ou amostragem mais significativa. Se a remoção for por neoplasia primária “oculta” em gânglio cervical, efetuar cortes seriados e seguir toda a amígdala para avaliação histológica.

Figura M12. Amígdala palatina
Figura M12. Amígdala palatina

Descrição macroscópica – exemplo

Amostra recebida em x tubos referenciados como:

1 – “Esquerda”. Peça de amigdalectomia esquerda com __x__x__ cm e __ gramas. Superfície externa de aspeto cerebriforme, com áreas deprimidas e áreas de exsudado fibrino-purulento. Superfície de secção branca de consistência firme. 

2 – “Direita”. Peça de amigdalectomia direita com __x__x__ cm e __ gramas. Superfície externa de aspeto cerebriforme, com áreas deprimidas e áreas de exsudado fibrino-purulento. Superfície de secção branca de consistência firme.


Referências bibliográficas

Lester, S.C., 2010. Manual of surgical pathology, Saunders/Elsevier.

Westra, W.H. et al., 2004. Surgical Pathology Dissection: an illustrated guide, Springer-Verlag New York.

Allen, D.C. & Cameron, R.I., 2004. Histopathology Specimens: Clinical, Pathological and Laboratory Aspects, Springer.