Como testar a hematoxilina?

Autor: Carla Lopes, Andreia Carreira. Ver página autores.
Última edição: Pathologika, 26 de Fevereiro de 2016
Citar esta página: Lopes, C. & Carreira, A., Como testar a hematoxilina? – Pathologika. Available at: https://pathologika.com/histoquimica/hematoxilina-eosina/como-testar-a-hematoxilina/ [Acedido: data].

oxidação excessiva ou completa da hematoxilina (sobre-oxidação), pode transformar a hemateína num composto leucoderivado sem capacidade de corar intensamente os ácidos nucleicos de azul.

Como saber se a hematoxilina continua com poder corante?

De acordo com Lillie, a cor da solução de hematoxilina é um indicador da sua capacidade corante e da integridade do complexo hemateína-mordente. Uma vez que o mordente confere  carga total positiva ao corante, a sobre-oxidação da hemateína implica que esta deixe de ter capacidade corante. Soluções de hematoxilina de cor azul indicam concentração de mordente viável e adequada e hematoxilina não sobre-oxidada. Soluções de hematoxilina avermelhadas são indicador de hematoxilina sobre-oxidada. A sobre-oxidação torna a hematoxilina castanha / vermelha e a coloração de núcleos com este tipo de hematoxilina resulta em coloração nuclear avermelhada o que pode colocar em risco o diagnóstico.

Nos vídeos que se seguem, são apresentados dois métodos práticos e rápidos para testar a capacidade corante da hematoxilina.

Metodologia 1 – Recorrer à água da torneira.

 

Metodologia 2 – Recorrer ao papel de filtro.

 

Exemplos de lâminas coradas com hematoxilina sobre-oxidada e hematoxilina ativa.