Bethesda 2014

Autor: Carla Lopes. Ver página autores.

Última edição: Pathologika, 28 de Novembro de 2019.

Citar esta página: Lopes, CB., Bethesda 2014 – Pathologika. Available at: https://pathologika.com/citologia/citologia-cervico-vaginal/bethesda-2014/ [Acedido: data].

Bethesda 2014 – Relatório

O Sistema de Bethesda para reportar relatórios de citologia cervico-vaginal, remonta a Dezembro de 1988.

Após a primeira introdução  da terminologia  em 1988, aconteceram já revisões em 1991, 2001 e recentemente em 2014.

Para que o diagnóstico seja efetuado  de acordo com a nomenclatura do Sistema de Bethesda 2014, o relatório interpretativo da citologia deve obedecer a determinados parâmetros descritos em baixo.

Tipo de Amostra

  • esfregaço convencional (Papanicolaou)
  • vs. citologia em meio líquido
  • vs. Outros

Adequação da Amostra

  • Satisfatória para avaliação (descrever presença ou ausência de componentes endocervicais/zona de transformação e quaisquer outros indicadores de qualidade, por exemplo, parcialmente obscurecido por sangue, inflamação etc.)
  • Insatisfatório para avaliação… (especificar o motivo)
  • Amostra rejeitada/não processada (especificar o motivo)
  • Amostra processada e avaliada, mas insatisfatória para avaliação de anormalidade epitelial porque (especificar o motivo)

CATEGORIZAÇÃO GERAL (opcional)

  • Negativo para lesão intra-epitelial ou malignidade
  • Outras: Ver Interpretação/resultado (por exemplo, células endometriais em mulher >= 40 anos de idade)
  • Alteração celular epitelial : Ver Interpretação/resultado (especificar ‘escamoso’ ou ‘glandular’, quando apropriado)

Interpretação / Resultado

NEGATIVO PARA LESÃO INTRA-EPITELIAL OU MALIGNIDADE
(quando não existir evidência celular de neoplasia e se existem ou não organismos ou outros achados não-neoplásicos).

OUTROS ACHADOS NÃO NEOPLÁSICOS (Opcional)

   * Variações celulares não-neoplásicas

      – metaplasia pavimentosa
      – alterações queratósicas
      – metaplasia tubárica
      – atrofia
      – alterações associadas a puerpério.

   * Alterações celulares reativas associadas à
      – inflamação (inclui reparação típica)
      – radiação
      – dispositivo intra-uterino (DIU)

   * Estado das células glandulares pós-histerectomia

ORGANISMOS
   * Trichomonas vaginalis
   * Organismos fúngicos morfologicamente consistentes com Candida spp.
   * Substituição na flora sugestiva de vaginose bacteriana
   * Bactérias morfologicamente consistentes com Actinomyces spp.
   * Alterações celulares consistentes com o vírus herpes simples

   * Alterações celulares consistentes com cytomegalovírus

OUTROS
Células endometriais (em mulher >= 45 anos de idade)
(Especificar se ‘negativo para lesão intra-epitelial’)

ALTERAÇÕES DAS CÉLULAS EPITELIAIS

CÉLULAS PAVIMENTOSAS
   * Células pavimentosas atípicas
      – de significado indeterminado (ASC-US)
      – não é possível excluir lesão intra-epitelial escamosa de alto grau (ASC-H)
   * Lesão intra-epitelial pavimentosa de baixo grau (LSIL) (inclui HPV/displasia leve/CIN 1)
   * Lesão intra-epitelial pavimentosa de alto grau (HSIL) (inclui displasia moderada e acentuada, CIS; CIN 2 e CIN 3)
      – com características suspeitas de invasão (se houver
         suspeita de invasão)
   * Carcinoma de células pavimentosas

CÉLULAS GLANDULARES
   * Atípicas
      – células endocervicais (sem outras especificações (SOE) ou especificar nos comentários),
      – células endometriais (SOE ou especificar nos comentários),
      – células glandulares (SOE ou especificar nos comentários)
   * Atípicas
      – células endocervicais, possivelmente neoplásicas,
      – células glandulares, possivelmente neoplásicas,
   * Adenocarcinoma endocervical in situ
   * Adenocarcinoma:
      – endocervical
      – endometrial
      – extra-uterino
      – sem outras especificações (SOE)

OUTRAS NEOPLASIAS MALIGNAS (especificar)


Referências bibliográficas

Solomon D: Foreword; in Nayar R, Wilbur DC (eds): The Bethesda System for Reporting Cervical Cytology: Definitions, Criteria, and Explanatory Notes, ed 3. New York, Springer 2015. https://doi.org/10.1159/000381842