Genética

Autor: Carla Lopes, Beatriz Oliveira. Ver página autores.
Última edição: Pathologika, 7 de Março de 2016
Citar esta página: Lopes, C. & Oliveira, B., Genética – Pathologika. Available at: https://pathologika.com/genetica/ [Acedido: data].

O estudo científico da hereditariedade é chamado genética.

A hereditariedade é um processo biológico em que um pai passa determinados genes para seus filhos ou descendentes. Todos os descendentes herdam genes de ambos os pais biológicos e estes genes por sua vez expressam características específicas. Algumas destas características podem ser físicas, por exemplo, cabelo e cor dos olhos e cor da pele, etc. Por outro lado, alguns genes também podem ser portadores de alterações, o que contribui para um risco acrescido de certas doenças e distúrbios que podem passar de pais para filhos.

A abordagem moderna à genética pode ser rastreada até meados do século XIX, quando Gregor Mendel efetuou análises cuidadosas da hereditariedade em ervilhas. As experiências de Mendel eram simples e diretas e permitiram a compreensão dos princípios mais importantes que determinam como as características são passadas de uma geração para a seguinte.

Entre as características estudadas em genética estão também aquelas que são influenciadas em parte pelo meio ambiente.

O conceito fundamental da genética é que as características herdadas são determinadas por elementos da hereditariedade, chamados genes, que são transmitidos de pais para filhos na reprodução.

A primeira estrutura tridimensional essencialmente correta da molécula de DNA foi proposta em 1953 por James Watson e Crick Francis na Universidade de Cambridge.

Na estrutura de Watson-Crick, o DNA é composto por duas longas cadeias de subunidades enroladas em volta uma da outra para formar uma hélice de cadeia dupla. A dupla hélice é destra, o que significa que à medida que progride, cada cadeia segue um caminho no sentido horário do relógio. As subunidades de cada cadeia designam-se de nucleótidos e cada um dos quais contém qualquer um dos quatro constituintes químicos chamados bases. As quatro bases do DNA são a adenina (A), timina (T), guanina (G) e citosina (C).